Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Melhor Política

Melhor Política

Será preciso explicar a Ana Gomes o que é a democracia?

Fevereiro 07, 2021

Sérgio Guerreiro

8B984B33-71CD-41A7-AF86-BF59A898A38A.jpeg

Não ganhou as presidenciais , mas como prometeu fazer caso fosse eleita Presidente da República em que iria de imediato tentar ilegalizar o Partido Chega,  não ganhando  depressa cumpriu a promessa como se tivesse ganho. Ana Gomes, sempre defensora da liberdade e da democracia, não consegue entender o que ela própria defende. O mesmo é dizer que , a ex candidata presidencial, não aceita as regras da democracia. 

 

Num Estado de Direito Democrático, a democracia não é exclusividade de ninguém. É de todos e para todos. Poderá ser um paradoxo afirmar que no sistema democrático cabem mesmo os anti - democratas, mas é pelo no exercício do voto livre do povo, que será só ele quem ditará as regras deste jogo.  No final da partida, o resultado, agrandando ou não, terá que ser respeitado. Atrevo-me mesmo a arguir que, o princípio basilar da democracia, é e sempre será, o respeito pela ideologia diferente e pelas escolhas de cada um. 

Tentar ilegalizar um partido político constituído legalmente por um regime de regras democráticas, é a antítese dos princípios que Ana Gomes defende.

 

Com esta ideia peregrina ou de teimosia política da ex candidata, a própria está a contribuir,  para uma guerra que não conseguiu combater nas eleições a que se sujeitou, convencida de que a margem que a separaria de André Ventura seria muito maior. Não o foi, e ao pedir à PGR que trate do “ dossier- ilegalizar o Partido Chega”, Ana Gomes sabe que muito dificilmente conseguirá ver os seus anseios a chegarem a bom porto. 

Quando as entidades e os órgãos de soberania se pronunciarem sobre a sua proposta , saíra de tudo isto um Chega mais forte com a ajuda de uma socialista que não mediu estupidamente o seu erro.

 

Em democracia, cabe ao opositor o combate das ideias no debate e no espaço público com dados claros e objectivos, informando os eleitores com factos e com a verdade das suas propostas. Cada um por si, avaliará e decidirá de acordo com as suas convicções. 

 

Em democracia, há a liberdade de se gostar ou não. De concordar ou não. E não podemos utilizar a expressão “ Estado de Direito Democrático” só porque fica bem e é bonita. É preciso respeitar as decisões dos órgãos de soberania e das instituições. Isto é a plena democracia a funcionar, quer se goste ou não dela.

 

Haverá agora, por parte dos órgãos próprios, alguma hipótese de responderem favoravelmente ao pedido de Ana Gomes ?

Há. Muito remotamente mas há, porém, com quase total certeza que,  isso não acontecerá. Perde Ana Gomes e ganhará como sempre  o verdadeiro Estado de Direito Democrático que não se deixa levar por uma estupida questão.

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub