Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Melhor Política

Melhor Política

Que sociedade queremos?

Outubro 10, 2021

Sérgio Guerreiro

F21F23EA-F82E-48EC-88CB-4CB16510F2E6.jpeg

A questão raramente é levada a debate. Quando se faz referência à expressão “ debate” pretendesse incluir nele toda a sociedade. A democracia, ao contrário daquilo que muitos possam pensar, não se esgota nas mais diversas eleições. A democracia vai muito para além disso, e hoje enquanto cidadãos vivemos no lado errado da história. Alienados de tudo o que nos rodeia deixamos de discutir a nação, o seu futuro e o seu caminho.

 

Vivemos na constante preguiça de não pensar, de não interrogar coisa alguma e vamos procrastinando o país como se o amanhã não tivesse interesse algum.

De facto, creio, que vivemos enquanto cidadãos numa despreocupação tão atroz como assustadora da forma como pensamos sobre a herança que vamos deixando. Ela será totalmente afectada pelas nossas escolhas, pela nossa passividade de agir enquanto parte de um colectivo que deve, despedindo-se de qualquer preconceito ou ideologia, realizar urgentemente um debate ao redor deste tão importante desígnio nacional: Que sociedade queremos?

 

Não podemos aceitar viver numa sociedade onde uma determinada elite impera e comanda o destino de todos esvaziando grande parte do corpo social do conceito que nos leva à ascensão dos mais variados aspectos do desenvolvimento de uma nação: a liberdade de pensar e de agir.

 

Hoje, o poder irrompe pelas nossas vidas castrando a nossa ação; o poder do estado que regula quase tudo e quase todos, corrói o desenvolvimento social e pessoal como todos tivéssemos amarrados aos pés uma bola de chumbo que não nos permite avançar mais um pouco. Temos um estado presente nos mais variados sectores da nossa vida em nome do poder pelo poder e não em nome do progresso da nação e de cada cidadão a fim de construir de uma sociedade mais justa e mais livre.

 

Vivemos amarrados a uma ideologia autoritária que vai crescendo aqui e ali de forma mais ou menos silenciosa onde as manhãs acordam todos os dias iguais. E todos os dias nos sentimos cada vez mais cansados e sem esperança.

 

O futuro, e o saber que caminho se quer levar, deve ser pensando, estruturado e analisado com todos. Por essa razão, é , e deve ser essencial, realizar um debate sério e alargado a toda a nação, ouvindo e reflectindo sobre as ideias de todos os quadrantes que fazem parte integrante do contrato social assinado por todos nós na qualidade de cidadãos. 

A sociedade Portuguesa precisa de se repensar, de se estruturar e de abrir caminhos para que todos não se sintam a viver num permanente outono.

 

Todos temos um desígnio, uma opinião e uma ideia para o país, mas mais que tudo isso, cada um de nós tem sonhos.

Este país vai mergulhando numa espécie de qualquer coisa que ninguém ainda entendeu o que é, e o perigo, perigosamente espreita a cada dia que passa.

Temos o dever de parar para pensar sobre o que queremos, e para além disso, temos o dever moral de interrogar sem medo aqueles que decidem, aqueles que dão um rumo a esta nação e questionar se não haverá um outro caminho que nos possa conduzir a um lugar melhor.

 

O nosso país está de costas de voltadas para ele mesmo, o futuro é incerto, causa angústia e não se sabe para se onde caminha enquanto ficamos impávidos e serenos a olhar para um amanhã que todos os dias se julga ser melhor sem nunca o ser.

 

Mentem-nos descaradamente criando a ilusão e a expectativa de um Portugal que não vai ficar para trás e o resultado é sempre o mesmo década atrás de década. Ficamos sempre para para trás. 

Vendem-nos os mais belos sonhos. 

E nós, que fazemos? 

Nós lá vamos comprando tudo isto enquanto alimentamos todos estes vendedores de banha da cobra que pelo uso sistemático da mentira e da criação da ilusão vão destruindo uma nação cada vez mais apática, cómoda consigo mesma que sem pestanejar aceita tudo sem questionar quase nada.

 

Sobre todos nós recai a névoa do nunca saber o que contar, e aqueles que ainda podem abrir asas vão voando para lá do tempo levando com eles o que de mais precioso um indivíduo poder ter : os seus legítimos sonhos e uma  nação que os prende às mais variadas amarradas não resta alternativa: remar para bem longe daqui com todos as aspirações no bolso para se sentir alguém, para se sentir gente, e tudo porque como diz a canção , “ eu quis ser astronauta mas o meu país não deixou”.

 

Este Portugal hoje não se interroga, não se ouve, não escuta os outros e não quer saber dos anseios e das expectativas das suas gentes.

O país, ainda não se sentou à mesa para discutir para onde vai, e ao caminho que entretanto se é percorrido, se não se derem claros sinais de um futuro diferente, então isto só pode significar que falhámos. E sim, falhámos todos. 

 

É urgente reunir toda a sociedade civil, para se discuta de uma vez por todas o perigoso trajecto para onde nos querem levar. É preciso dar sinais claros, aos responsáveis, que não podemos continuar aqui sem que nos deixem ser livres.

As cordas que nos amarram a esperança terão ser cortadas de vez. 

Enquanto alguns aprisionaram os sonhos de muitos, ainda vamos a tempo de salvar a aspiração daqueles que ainda restam para devolver a esta nação tudo aquilo que nos vão roubando: a alegria.

Se ambicionamos as estrelas, então teremos que correr atrás do firmamento.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub