Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Melhor Política

Melhor Política

O Homem que não chegou ao Porto.

Dezembro 04, 2020

Sérgio Guerreiro

F0DAB8F3-B98F-41C6-BE29-AE02AC04F88D.PNG

O que Portugal seria hoje com a continuidade na vida política de Francisco Sá Carneiro, ninguém sabe.
 
Não tecendo considerandos sobre o que seria, simplesmente, é o bastante para se concluir, que na sua época Sá Carneiro, sabia e tinha definido um caminho claro para a nação. Esse caminho, foi propositadamente, interrompido.
Em março de 1977 já diria em pleno debate parlamentar sobre as medidas do Partido Socialista : “ A alternativa que os Portugueses enfrentam não é entre o socialismo e a ditadura, mas sim a do descalabro económico, do colapso, ou a do desenvolvimento progressivo, equilibrado e racional. Esta é a verdadeira alternativa”
 
A visão de Sá Carneiro nos finais dos anos 70.s princípio dos anos 80,s passados 40 anos ainda é a uma questão por se resolver que nos dias de hoje é debatida até à exaustão sem se chegar a conclusão alguma.
 
Era essencial para Sá Carneiro, criar condições para o crescimento económico dando às empresas, criadoras de riqueza, o impulso tão necessário à nossa frágil economia. Haveria a necessidade de mostrar aos investidores que, em Portugal a propriedade privada era respeitada.
 
Já em 1980 na qualidade de Primeiro-Ministro a 11 de Janeiro, na apresentação do seu programa do VI Governo Constitucional, afirmou : “ O Governo está interessado num exercício mais amplo das capacidades da iniciativa privada, individual ou de grupo, na convicção de que o progresso material do País tem nela o seu motor principal”.
 
Toda esta visão, à época pode e deve fazer questionarmos onde estaríamos hoje.
 
Ninguém sabe.
 
Um homem que desafiando o seu tempo numa época em que o conceito de família foi abalado porque ter escolhido como sua parceira até aos resto dos seus dias, uma mulher que não era a mãe dos seus filhos.
 
“ Se a situação ( Snu Abecassis) for considerada incompatível com as minhas funções, escolherei a mulher que amo”.
Todo isto, em que Portugal ainda vivia sobre uma nuvem negra de conceitos pré-estabelecidos,
 
A irreverência de Francisco Sá Carneiro, criando uma aura renovada de um País escuro era inovadora. Era essa a sede de um Povo que 40 anos depois, ainda ninguém conseguiu matar. 
 
Onde estaríamos hoje se a história fosse outra?
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub