Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Melhor Política

Melhor Política

“ Não devíamos estar aqui hoje” Então foste lá fazer o quê?

Sérgio Guerreiro, 26.04.20

8C5FC4DC-58FE-465E-A98B-DB2F34FB5099.png

Não foi preciso ouvir o discurso todo do excelso Dr. André Ventura no dia 25 de Abril na Assembleia da República. Bastou o início. “ Não devíamos estar aqui hoje”. Parece a velha história do padre que vai " a casas de meretrizes " ( não reproduzido aqui fielmente)  só para as alertar que é pecado, dizia @Adofo_Dias_I. E é verdade. Para o senhor deputado do Chega, que não deveria de estar ali naquele dia , foi preciso lá ir para dizer que não deveria de lá ir. E é isto. Ó valha me Deus!

7,19 milhões de euros. Sabe a que nos referimos ?

Sérgio Guerreiro, 21.04.20

722613E4-265B-4361-A971-23F77A56C42B.png

É o valor que nos custa as subvenções vitalícias em 2020. Em 2019 este valor rondava que os 7,17 milhões. 
As subvenções vitalícias são  pagas a antigos governantes, deputados, juízes do Tribunal Constitucional, entre outros, e é daquelas coisas que certamente nenhum Português entende, a não ser claro está, quem as recebe. E legitimamente posso afirmar que estes milhões são uma afronta. Se antes o eram, agora muito mais o são, por todas as razões e mais algumas que são dispensáveis de se escrever. É daquelas coisas que nem vale a pena explicar porque só de pensar até mete nojo. Este privilégio que não tem qualquer justificação, é meramente um acto “ criminoso” . Isto sim, é gozar com quem trabalha e com quem já trabalhou porque somos nós que continuamos a sustentar este tipo de gastos inúteis do Estado. Por outras palavras, esta "chulice". Meus amigos. 7,19 milhões de euros. Porra para isto! Há valores a serem pagos que são, isso sim , um verdadeiro atentado à dignidade de cada um de nós. Veja-se o caso de Carlos Melancia, ex governador de Macau que recebe deste julho de 1998 o valor ilíquido de 9. 727€. Mas muitos haverá. A uns o valor da  subvenção  está suspenso por razões legais,  outros há que a ela meramente a renunciaram como foi o caso de Pedro Passos Coelho. 

Esta palhaçada não há meio de acabar!
Porra,  alguém que ponha fim a isto!

 

 

Abril sempre ? Sim. Mas agora não!

Sérgio Guerreiro, 17.04.20

26D7877B-04BB-4066-B3F0-20C362CEE941.png

O que Abril de 74 nos deu foi isto. Ter opinião e exprimir a vontade sem medos. Se antes dúvidas existiam sobre a titularidade desta data, ficaram dissipadas. E sim. A esquerda sempre se julgou dona e proprietária de Abril. Deveremos sem problemas assumir que esta data deve ser celebrada. Sim, devemos isso a milhares de Portugueses e Portuguesas que viraram a página da nossa história na madrugada do dia 25 de Abril do ano de 1974. Muitos deram a sua vida em troca da liberdade de hoje. E mesmo hoje há quem não entenda isso ficando por aí a navegar em dias de eleições.

Estamos a viver uma época também ela histórica que  a todos nós ficará na memória e pelas más razões. Não podemos abraçar Abril. Não podemos comemorar Abril. Não podemos estar com quem amamos, com quem nos faz bem, e tudo para que esta fase negra da história de hoje passe rápido. Pedem, quem nos governa, um esforço, um último esforço, porque a luz está mesmo ali. Pedem que não comemoremos nada. Pedem que estejamos isolados do mundo lá fora em nome de um bem maior. A saúde de todos. Abril chega com uma nuvem negra a pairar por cima de todos, ao contrário daquele Abril em que “ o dia inicial e inteiro e limpo, onde emergimos da noite e do silêncio, e livres habitamos a substância do tempo”

Agora, Abril é outro. É diferente, mas em cada um de nós vive e reina o espírito de uma manhã limpa. Agora e para que amanhã possamos cumprir o sonho daqueles que fizeram Abril por nós, vamos celebrar como temos celebrado tudo até aqui. Deixar o sol nascer de novo e ver Portugal renascer. Se quem nos governa o quer fazer em festa reunido ao seu redor aqueles que se julgam donos e senhores de Abril, é porque não estão a respeitar Abril, nem cada um de nós por tudo o que já se fez e por tudo que ainda falta fazer. O que Abril também nos deu, foi saber respeitar o indivíduo e enaltecer o espírito de sacrifício!

Se quem nos governa não entende isto, então por certo não merecerá de todos qualquer respeito. Aquele respeito pelo outro que Abril que nos ensinou.

Hoje Abril é todos aqueles, que ainda não podem abraçar os seus.

 

 

Isabelinha querida. Bom senso, bom senso...vai ver que não dói nada!

Sérgio Guerreiro, 16.04.20

19E16905-5E8C-4E2F-9C61-1403504E1312.png

“Ações de RUA” em todo o País. Para Isabel Camarinha, líder da CGTP substituta do saudoso” Arménio Carlos, o 1.de Maio dia do trabalhador e feriado nacional,  é para ir para a rua. E é. Mas não agora, acho eu. Acaba de ser prolongado o Estado de Emergência até 2 de Maio às 00.00 e o que se lembra a líder desta organização sindical? " Malta, dia 1 de Maio tudo na rua”. 

Ora , aqui está um grande exemplo de responsabilidade sindical e de proteção para todos os trabalhadores portugueses. Assume a líder que, irá assegurar os procedimentos de segurança. Como ? A distância social é cumprida ? Vão de máscaras todos alegres e a cantar enquanto  descem a Avenida  da Liberdade com cartazes de mão em mão ? Ó minha senhora, isso tem piada e sim é giro, mas em condições normais, não é?

E diz mais. “ Temos que fazer o que tem de ser feito". Bem até parece que se não for celebrado agora o 1.de Maio, o País nunca mais será o mesmo. As aulas são à distância, os professores à distância, os trabalhadores à distância, as repartições públicas à distância, em suma, o País por agora todo à distância,  e esta senhora quer o povo na rua. Mais grave ainda, o governo ter permitido esta manifestação. Bem sei que seria chato fazer-se uma “manif” à distância, mas é bem mais chato fazer-se uma “ manif” na rua. Pelo menos agora. O bom senso é coisa que não  te assiste Isabelinha. Mas como os trabalhadores deste País são gente séria, é possível que tenhas que desmarcar o que agora dizes que queres fazer, porque isso é só uma estupidez de todo o tamanho.

 

#fiqueemcasa

 

Foto: Mário Cruz, agência Lusa

Dos milhões anunciados, a sua empresa já recebeu quanto?

Sérgio Guerreiro, 16.04.20

14FB8C29-FFFB-4E3B-AA20-115F78DDE7D7.png

Um mês depois de tantos milhões de apoios anunciados, já fecharam algumas centenas de pequenas empresas e as outras que apesar de manterem as suas portas abertas, muitas delas já pensam em encerrar. E tudo porquê ? Porque se anuncia milhões e não se diz que demora, porque se anuncia mais milhões mas não se diz que “é só lá para o mês que vem mais ou menos e se não houver feriados pelo meio”.

Muitas empresas não vão utilizar sequer as linhas de crédito anunciadas. E porquê? Porque a taxa de juro exigida é inaceitável, tendo em conta o momento em que se vive e essa razão deveria ser bastante para se perceber que a curto prazo a desgraça vai bater à porta e não vai pedir licença para entrar. Não se precisa de dinheiro amanhã nem para o mês que vem, é preciso dinheiro agora e já. Alguém que entenda isto de uma vez por todas e enquanto é tempo . E ele escasseia.

Este atraso incompreensível aliado às taxas de juros, comissões e outras por parte da banca, que levou um  enorme “ tau tau “ de Paula Franco, bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados ( e bem dado que ele foi) por se pedir e exigir aos empresários o que legalmente não é exigível, está a dar cabo dos nervos de toda a gente. Portanto e assim sendo, não vale a pena anunciar mais milhões, se até agora chegou zero euros à tesouraria das empresas. Zero!
Ou a  coisa se faz mais depressa, ou isto vai mesmo ser pior que se imagina e alguém tem a culpa disto, e não somos nós nem o Passos Coelho!

 

Aquilo que Fernando Tordo e os seus amigos podem ter no bolso, podia estar na carteira de muita gente...

Sérgio Guerreiro, 10.04.20

F4DA41FE-A45A-4287-9EEF-E4B26064C39E.png

“ Minha laranja amarga e doce , meu poema ...” é bonito sim senhor, mas já lá vai. Um milhão de euros que foi aprovado para coisa nenhuma em nome e sob a égide de “cultura”,  mas para os médicos, enfermeiros e outros, um complemento remuneratório de 20% foi chumbado pelo Parlamento. É  bom recordar quem chumbou e quem se absteve.

Votos contra : PS- CDS/PP e PSD; Abstenção: IL - PCP e CHEGA

A abstenção, que não é carne nem peixe , é um “nim” é tão ou mais ridículo que votar contra, pelo menos nesta matéria. Não haveria nada a dizer mesmo? A proposta de acrescer 20% à remuneração base dos profissionais dos serviços essências veio  e bem do lado do PAN, que quase todos os dias ganha pontos em propostas apresentadas, e esta era essencial para dignificar o parlamento e o País mas para além disso dignificar os homens e mulheres que dão todos os dias o corpo às balas. Profissionais a quem o País deve agora mais que nunca dignificar, profissionais a quem todos dias o País pede mais e mais... e com esforço eles dão. Mas esta votação não dignificou os Portugueses e aquilo que nós representamos enquanto sociedade justa, equilibrada e  solidária. Não foram os ilustres deputados dignos do mandado que lhes foi atribuído. Isto é só uma indecência. É só uma aberração. É só uma falta de respeito. É uma falta de tudo e de mais alguma coisa. Um milhão de euros para uma merda que ninguém via, enquanto os outros artistas recebem uma “ ajudinha” de poucos mais de 460, 00€. E os médicos e os enfermeiros que podiam com legitimidade levar mais 20% do seu já curto salário para casa onde não vão há semanas, levaram com um NÃO daqueles que nem deveriam levar isto a discussão... era sim e pronto. Portanto em suma, aquilo que o Fernando Tordo e os seus amigos podem ter no bolso, podia estar na carteira de muita gente...

Esteve bem o PAN. Parabéns. Mas só agora, porque vocês também, valha me Deus.

 Vão brincando com o povo que depois conversamos!

 

"post scriptum" - sei que me vou lixar com esta minha opinião mas a opinião só é propriedade de quem a emite  e porquanto ainda a podemos ter ...Ainda...

Carta aberta à Exma Ministra da Cultura

Sérgio Guerreiro, 09.04.20

7EB6181B-DC06-4A5F-AAAA-EFF134F6C32C.png

Exma; 

Então a senhora vai gastar 1.000.000.00 ( Um milhão de euros ) num festival denominado de Tv Fest. É assim? 

Pelo que sei e corrija-me o erro os profissionais da cultura a sua quase totalidade recorre aos chamados “ recibos verdes”. E quanto recebem estes profissionais de apoio extraordinário por verem cancelados os seus espectáculos? Por ficarem sem rendimento ? 462,00 euros certo ?

Corrija-me outra vez se eu estiver enganado.

Esse um milhão que a senhora vai gastar  bem distribuído por quem tem contas a pagar, família (pode a senhora não saber) mas há quem  tenha que comer, não daria para os trabalhadores Portugueses da cultura, aqueles que também são Portugueses recebessem assim um pouco mais ? Poucochinho é certo mas mais. Isto de cuspir na cara desta gente e assim à descarada, é feio, é mau, é um ultraje, é uma vergonha... Um pseudo festival que custa um milhão de euros aos contribuintes onde aqueles que agora precisam e que  também pagam impostos para agora receberem um “apoizinho”de 462,00€. O socialismo não é isto mais ou menos? Distribuir a riqueza por todos os que necessitam? Ou o seu socialismo é só distribuir porque quem a senhora acha que merece ? Sem justiça e sem critério? Vamos lá ver se nos entendemos. Este despender de um milhão de euros para uma coisa destas  é uma afronta a toda uma classe que sempre viveu sem qualquer segurança. É uma afronta a todos os contribuintes que não precisam de TV Fest nenhum. Precisam de outra coisa senhora Ministra. O que é preciso é que a senhora Ministra (ainda aqui intitulada de e com maiúscula) não ande aí despender dinheiro para coisa nenhuma.

E diga. Mas diga com verdade.

Esse um milhão de euros daria para aumentar o apoio a quantos actores e actrizes do teatro ao cinema das artes cénicas e outras que foram dos primeiros a ficar sem qualquer rendimento?

Um milhão de euros daria para aumentar  em quanto? Diga lá ? 
Se souber claro. 
Vamos lá "gastar" em condições esse milhão faça lá o favor. E em condições, leia-se, a quem precisa. A ser ao contrário a senhora não é Ministra da Cultura, é um espécie de qualquer coisa que finge que governa qualquer coisa que não sabe muito bem o quê e que depois de tudo isto passar é possível que a senhora agora Ministra vá à sua vidinha. Que é possível ser o melhor. 

Cumprimentos

6,42€ à hora !

Sérgio Guerreiro, 08.04.20

1C78E6DE-0B66-4980-BB10-516A10A6BDE6.png

É este o preço à hora que querem pagar a quem trata de nós. Seis euros e quarenta e dois cêntimos.

6,42€ à hora, leram bem.

Enfermeiros e enfermeiras, debaixo de fogo, numa guerra sem saber onde anda o inimigo porque ele anda por todo lado a atingir o mundo com balas de silêncio mortais.

6,42€ à hora, leram bem.

Enfermeiros e Enfermeiras que não vão a casa, que têm família, que sofrem por nós e choram até por nós. Gente que dá o que pode e não pode, gente que se esforça sem meios, sem o essencial onde às vezes, ai sim, acontece milagres, mas enquanto isso o governo que quer pagar 6,42€ à hora a esta classe profissional, é o mesmo governo que gasta 1 milhão de euros com o TV Fest.

1.000.000.00€, leram bem.

As palmas, as velas e essas coisas bonitas,  de pouco valem. Porque para o governo eles só valem 6,42€ à hora, leram bem.

6,42€ à hora!

Boa noite.

Foi preciso isto ?

Sérgio Guerreiro, 07.04.20

2F6B7B29-ADD7-4DE2-A4E1-225C4980B3C9.png

Foi. Foi preciso isto tudo acontecer para percebermos muita coisa. Foi preciso isto tudo acontecer para ficarmos longe e sentirmos qualquer coisa de estranho nunca antes sentido. Talvez agora se chore mais. Talvez agora se leia mais, talvez agora haja mais silêncio. Foi preciso isto tudo acontecer, para sentir a falta que faz um “bom dia” um abraço ou simples aperto de mão. E agora o aperto é mesmo cá dentro e não é na mão. A saudade do mundo lá fora, do cheiro da rua, da estrada e da chuva, o cheiro do trânsito, do apito do condutor de trás porque o verde está mesmo mesmo a cair, mas  ainda não caiu. 
Foi preciso isto tudo. 
Era tudo tão simples antes, é tudo tão estranho agora. 

Foi preciso isto tudo, para dar valor às pequenas coisas que antes, bem...que antes ninguém via ou sentia. Agora, o destino chamou-nos a sentir, chamou-nos a olhar e a aprender tudo de novo outra vez. Trocaram-nos as voltas da vida. E a vida agora, parece que parou. Parece que os dias não passam quando todos os dias dizíamos que tudo passa tão pressa e quase já é natal outra vez. Mas agora a vida, com as mesmas horas de antes, talvez nunca tenha sido tão vida como agora. Que tudo volte ao normal, que tudo seja igual a sempre, mas que tudo mude. Que tudo afinal seja diferente, pelo menos no nosso olhar, naquele cá dentro. Que aqueles que mandam nisto tudo saibam que nós vamos ser diferentes.  Que eles também sejam. 
Foi preciso isto ? Afinal foi.

 

#fiqueemcasa

Fernando Medina, o estivador.

Sérgio Guerreiro, 06.04.20

D1489014-6F13-4A83-8EFD-1A978DD1063F.png

Assim à primeira vista pareceu que Fernando Medina teria renunciado ao cargo de Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, para nesta altura de crise pandémica, experimentar outras lides, a de estivador talvez, mas à segunda vista vemos logo que não por causa do fato e da gravata. Ser estivador assim vestido é provável que não seja cómodo. Está na foto junto com Jamila Madeira, Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, e estes dois camaradas socialistas estão somente a fazer a sua pose política ao pé de um avião que chegou com material hospitalar ao aeroporto de Lisboa. O que faz um Presidente de Câmara nesta foto? Nada. Aproveita o momento para fazer campanha política. Daquela que não presta. Fernando Medina é também um socialista puro, e não engana ninguém a não ser uma ou outra associação desportiva a quem promete obras e que depois contrata empresas com falsos engenheiros e a coisa corre mal. Mas para a fotografia lá  está ele. Não mostrando, tenho a certeza que depois,  tirou o fato e a gravata e põs mãos à obra e  ajudou a carregar o material todo. E fez muito bem.

Pág. 1/2