Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Melhor Política

Melhor Política

E enquanto o País se diverte, aconteceram coisas... e que não são mentira.

Janeiro 19, 2020

Sérgio Guerreiro

E2137182-BF19-48B0-ACC9-958D89184364.png

Uma semana incrível cheia de coisas incríveis e o País lá se vai divertindo com a Joacine Katar Moreira.

Uma semana incrível cheia de coisas incríveis num País onde se tudo se diz e se pode dizer, onde tudo se faz às claras e sem vergonha.Um País que lá se vai divertindo com a Joacine Katar Moreira.

Coisas que aconteceram e que não são mentira :

1- O Ministro do Ambiente que se esqueceu de incluir a taxa da celulose como medida no Orçamento de Estado de 2020. “ Escapou”diz ele;

2- Um Secretário de Estado da Saúde  que diz, para combater as agressões aos médicos e enfermeiros uma medida coadjuvante pode passar por “ servir chazinho e bolinhos aos utentes “;

3- O Ministro da Administração Interna afirmou que, os polícias só compram o equipamento” porque  querem e não tem obrigação nenhuma de o fazer “;

4- Em 2016 no 127o Curso de Comandos, morrem dois jovens ao serviço da nação. Mas agora o Estado “ travou “  indemnizações e diz que o só o faz se for obrigado;

5- O PS a desrespeitar o Tribunal de Contas, pela voz e pela mão do delfim de António Costa, Fernando Medina;

6- Era para escrever umas linhas sobre o Bloco mas não vem ao caso...

Uma coisa é certa e até teve piada, o Rui Tavares,o líder espiritual do Livre a comentar as eleições do  PSD na estação pública paga por todos nós.

Mas também me lembrei de uma boa:

Sobre as eleições do PSD, André Ventura afirma :
“ hoje ficou demonstrado que o CHEGA liderará toda a direita nos próximos anos” 

Esta eu não podia deixar de escrever, porque também tem alguma piada.

Como diz o Povo, presunção e água benta cada um toma a quer.

E pronto, assim vai este País.

Rindo e tal e  vão acontecendo coisas e que não são mentira.

 

 

 

 

 

 

Então quer dizer que isto vai lá com chazinho e bolinhos ...

Mas isto é a sério?

Janeiro 18, 2020

Sérgio Guerreiro

A9D46B59-B2AD-4929-876B-98D52BC4840C.png

 

Para evitar agressões a médicos e enfermeiros uma das medidas ( de entre outras ) pasme-se,  é servir " chazinho e bolinhos aos utentes ".

Quem o diz é o Secretário de Estado da saúde Dr. António Sales em entrevista à Rádio Renascença. 
Diz mais : " pode ser uma medida simples e coadjuvante ... criando um ambiente com menor tensão ... se tivermos uma sala de espera com bom aspecto com televisão e revistas ..."

Se por acaso alguém me contasse que um responsável do governo algum dia diria uma coisa destas eu não acreditava, mas fui ver... e vi e ouvi três vezes para o caso de perceber mal.

Mas como sempre digo nestas coisas do insólito ainda acho que isto é mesmo só um sonho e ninguém disse uma coisa destas.

Por tanto,  amanhã quando acordar e se o Bloco de Esquerda pedir de imetiado a saída deste senhor então é porque é verdade e ele disse mesmo estas parvoíces todas e não é um sonho meu.

Caso contrário, é porque é mesmo.

Que Deus nos livre dos maus...sonhos e pesadelos e assim!

 

 

Digam assim: “ os portugueses pagaram”

Janeiro 16, 2020

Sérgio Guerreiro

https://soundcloud.com/sergio-guerreiro-158062137/digam-assim-os-portugueses-pagaram1CA7D3EC-E299-4253-B9CC-687D06FA62A1.png

Todos os dias, ou quase todos os dias, ouvimos em todo o lado, ou quase em todo lado, que o “Estado pagou “, que o “Estado comprou” ou que “o Estado adquiriu.

Não é o Estado que compra, que investe ou que adquire e não é o Estado quem paga.

Somos nós.

O Estado é somente uma estrutra com a responsabilidade da organização da nação, com um conjunto de instituições que asseguram a sua administração, mas sempre a contar com o dinheiro dos contribuintes.

Por isso quando dizem que  a Força Aérea gastou 54 mil euros , mais coisa menos coisa em 200 relógios de pulso por ajuste directo, digam, os contribuintes portugueses pagaram 54 mil euros em relógios para a Força Aérea e que afinal dizem ser obras de arte, razão esta ao que  dizem ser bastante para que não haja concurso público.Cada relógio custa cerca de 280 Euros e podem ser revendidos a todos os militares que manifestarem essa vontade.

Se ninguém os quiser... paciência logo se vê.E tudo para quê? Para comemorar os 60 anos da base área de Monte Real.
A Torres Joalheiros recebe 53.800,20€ e nós contribuintes pagamos 53.800,20€.
Boa noite e até a próxima se Deus quiser

 

 

 

 

 

Pagar não é com ele (s)

Janeiro 15, 2020

Sérgio Guerreiro

09DC64D4-1736-49E2-A82C-8FBE2A6B9C3D.png

Ainda está para esclarecer a razão de o governo criar um fundo de 2,5 milhões de euros para apoiar os filhos menores dos bombeiros voluntários.

Ainda está para esclarecer e ainda também por pagar, os abonos e ajudas de custo aos operacionais enviados para Moçambique pela altura das cheias. 
Prometer sabe o governo, cumprir é só para os contribuintes. 
Só em abonos Eduardo Cabrita deve cerca de 35 mil euros. A dívida, segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil ( ANEPC) será porque estes operacionais não terem " vínculo permanente de emprego público". Há sempre um desculpa qualquer...

Assim e enquanto isto nem se paga uma coisa nem outra.

Temos um Estado que exige e exige e exige, quando não cumpre não cumpre não cumpre. 

Mas afinal para o que servimos ?

É só mesmo para pagar ? 
Ide-vos...

 

Aliança. Um Partido vivo de boa saúde e que se recomenda.

Janeiro 13, 2020

Sérgio Guerreiro

E50674AB-DB20-4372-AFDF-D68193D4D9FC.png

Foi no passado sábado que se realizou na magnífica cidade de Castelo Branco e com uma organização fantástica por parte da Ana Camilo e da sua equipa, a 1.Convenção Autárquica do Partido Aliança.

Casa cheia e uma notável troca de ideias, de discursos impulsionadores e de grande motivação por parte de todos os oradores. 

Foi uma Convenção que aposta no trabalho de equipa e de esforço conjunto. Numas eleições à porta como são as autárquicas, o Partido não desiste. É assim que se faz a vida política. Ir em frente e à luta pelos princípios que defende e por um País mais justo e  mais coeso. 
Para muitos que podiam julgar que o Partido que viu ser realizado o seu 1.Congresso Nacional ainda não há um ano mas que já estava quase à beira da "morte", nesta Convenção Autárquica provou-se na realidade o seu contrário.
Podem querer "matar" o Partido de várias formas mas, creio que quem o quer fazer, só pode ter dois caminhos:

1- desiste da ideia procurando outro "abrigo";

2- ou disiste da ideia. 

De casa cheia feita de encontros e reencontros, o Partido está mais unido que nunca mas sabedor do caminho que quer percorrer sabendo que não o faz sozinho e para isso, contou com a presença da grande maioria dos distritos de norte a sul do País. Pode haver ainda quem se faça esquecido, ou não saiba mesmo. Mas de norte a sul, Madeira e Açores , o Partido existe. 
Se para muitos  ( poucos ) julgavam este Partido esquecido, então esses muitos ( poucos)  estarão muito enganados. 
É assim na vida. Feita de muitos enganos, mas este Partido já faz parte da vida de muitos sem qualquer engano e deu mais uma vez uma grande prova da qualidade dos seus quadros executivos presentes e dos  seus militantes.
Porque o que se viveu e o que se respirou nesta convenção é a certeza mais pura de que este grande Partido tem os melhores militantes do País e estes não estão certamente enganados. 

Dito isto:

Um Partido vivo, de saúde e que se recomenda.

A vapor era mais rápido do que hoje de autocarro.

Janeiro 10, 2020

Sérgio Guerreiro

B3A3382F-A338-4517-B311-914937C4FB78.png

Mudou a demora.

Em 1917 era a vapor e o comboio que partia de Coimbra até Lousã parando em todas as estações e apeadeiros , demorava cerca de 1 hora e 15 minutos.

Hoje, o autocarro que se faz substituir ao comboio, entre e Coimbra e Lousã, demora 1 hora e 25 minutos.
É este o serviço público de transportes  que há para servir a população entre Coimbra e Lousã. São cerca de 30 km que a vapor se fazia em 1 hora e 15 minutos em 1917 onde o tempo parece ter parado para estes lados.

Já em 1953, o tempo e a modernidade dos comboios, parece ter sido ser uma realidade e o percurso era feito em 47 minutos.

Mas o que  realmente mudou entre 1917 e 2020?

A vapor era mais rápido do que hoje de autocarro.

E assim se vai andando pelos caminhos de Portugal com superávit orçamental.

 

 

António Costa não gosta de encarar a justiça de frente!

Janeiro 09, 2020

Sérgio Guerreiro

734F142E-28C8-4785-80AB-9EC069118AEA.png

 

A poucas horas de o Primeiro Ministro de Portugal ver aprovado na generalidade o seu fraco Orçamento de Estado para 2020, ficamos a saber também  que António Costa não quer depor nos olhos nos olhos e tenta obstruir com as armas que tem a justiça no caso Tancos, quando este deveria ser o primeiro a não deixar qualquer rasto de dúvida.

O juíz Carlos Alexandre recusou a decisão do Conselho de Estado que autoriza António Costa a depor por escrito, sendo que foi uma das testemunhas chamadas pelo ex-ministro da defesa Azeredo Lopes, sendo que até aqui e depois de todos serem ouvidos neste processo, o único que não quer estar presente é António Costa.

O Primeiro Ministro quer depor por escrito ao qual o Conselho de Estado deu o seu parecer favorável, coisa até aqui normal, porque nestes casos manda a tradição, que se cumpra a vontade dos conselheiros onde António Costa tem assento.

A inter ação entre as partes é essencial. É essencial para a clarificação dos factos e é isto que António Costa não quer. E não querendo isto, isto diz tudo.

Nao há nada na Lei , nomeadamente no Processo Penal que obrigue o Tribunal a aceitar que o depoente responda por escrito, somente há uma prática comum do Conselho de Estado que fez a vontade ao seu conselheiro.

De salientar, que um cidadão comum não tem a possibilidade de depor por escrito, ou vai, ou o Juíz manda as forças de seguranças irem ter com ele... "ou vens ou vens "

Mas António Costa, não é um cidadão qualquer. 

E será que o Juíz Carlos Alexandre ganha esta batalha entre o poder político e poder judicial? 
Será normal num Estado de Direito Democrático um Primeiro Ministro tentar " obstruir " e querer passar a perna à justiça ?

Não é. É mais fácil estar escrever o seu depoimento por escrito após ler cuidadosamente as perguntas, do que encarar e dialogar com o Juíz titular do processo. É certamente mas cómodo para António Costa, mas certamente quem perde é a clarificação da descoberta plena da verdade.

O Juíz , tem obrigações, e uma delas é descobrir a verdade material deste caso para "desmontar"ou não a acusação do ministério público, visto que a pedido dos arguidos, estes contestaram a acusação e assim o Juíz tem aqui o seu papel de ver se há ou não indícios de crimes para a fase seguinte que será o julgamento... ou não.

A importância deste caso, leva à questão de fundo. Deve ou não o António  Costa prescindir da prerrogativa que tem de depor por escrito e ser o mais claro possível nesta matéria até para que não fique no ar qualquer dúvida?
Este braço de ferro entre o poder político e poder judicial só macha o Estado de Direito.
E quem o manchou tem nome.

António Costa , Primeiro Ministro de Portugal.

 

Para penhorar, eles sabem de quem é o carro!

Janeiro 08, 2020

Sérgio Guerreiro

22A3A452-FB0C-4F46-8F37-6DD8FA6782A1.png

Se por acaso adquiriu um veículo importado, saiba que o IUC que pagou a mais tem que ser reclamado se quiser ver na sua carteira de volta, aquilo que lhe tiraram. Entre julho de 2007 e 31 de dezembro de 2019, a AT cobrou imposto a mais.
Como o Estado , leia-se , este governo é sempre  " uma pessoa" de bem, então agora quem foi lesado, que se quixe, porque só assim é que o Estado devolve aos contribuintes lesados o dinheiro que estes pagaram a mais de IUC.

Justifica assim a AT que não sabe a quem cobrou a mais, visto que os dados dos veículos importados estão nas mãos do IMT , e este organismo não comunica com o sistema informático da AT.

Agora experimente lá não pagar um imposto qualquer ou uma qualquer taxa e taxinhas, para ver se a AT não sabe de quem é o veículo...mas não experimente porque o mais certo, é ver o seu carro penhorado pelo fisco.

O mesmo fisco que para devolver o que recebeu a mais, não sabe a quem.

Cenas, é o que é!

 

 

“Da Troika à geringonça “ O novo livro de Luís Reis

Janeiro 07, 2020

Sérgio Guerreiro

490923A3-0E17-47CD-833F-E0DAF6FE989F.png

 

Um livro fresco do gestor Luis Reis que retrata um Portugal débil no período de 2012 a 2019 lançado a 6 de Janeiro, onde a convite da editora Guerra e Paz tive o grande gosto  de estar presente  e que contou com apresentacão de José Manuel Fernandes, director do jornal Observador.

“Um Portugal que entrou nos cuidados intensivos e que alguém o que recuperou”  segundo palavras do autor.

Na fase da geringonça e após a saída de Portugal da Troika, o autor revela o fraco crescimento do país.

Um conjunto de retrocessos no desenvolvimento de Portugal que anda de mão dada com a pouca a transparência da vida política, pondo o dedo na ferida no que concerne à separação de poderes  e  da comunicação social de entre outras questões que já se levantavam na era de Eça de Queirós ou de Ramalho Ortigão que tanto hoje se volta a ler e que tanto ainda hoje nos diz.

Uma ausência quer da esquerda quer da direita, de uma oposição mais forte é  um dado que o autor nos traz e que todos devem reflectir.
Fala-nos de contas públicas e de contas certas, onde a importância das contas certas, é obviamente um bom caminho mas...

Crítica um País pouco amigo das empresas que as impossibilitam de crescer por conta da grande  dose burocrática  em que Portugal teima em viver.

Um livro que vale a pena ler para se entender sobre novas políticas fiscais que já deviam estarem curso para que se impeça a saída de pessoas e de quadros qualificados mais jovens que apontam a carga fiscal como um enorme pesadelo e um dos principais  problemas, vendo a saída do País  uma solução cada vez a pensar.

Precisamos de um Portugal  de vistas largas e não de vistas curtas, onde o caminho  que se percorre hoje, é o caminho para sustentar o peso do Estado.
Da Troika à geringonça um livro de Luís Reis, gestor que nos ensina um caminho sem papas na língua para um País que já deveria  estar a crescer muito mais do que cresce sendo premente baixar a carga fiscal.

Poderão ouvir na Rádio Observador em Podcast a entrevista completa com o autor deste magnífico “ manual” de como lá chegar, ou pelo menos fazer-nos pensar num outro urgente caminho.

 

 

 

Futebol e política, a combinação mais que imperfeita.

Janeiro 06, 2020

Sérgio Guerreiro

33B211D2-CFFB-4504-9141-39C3DC4F6F6C.jpegQuando alguém assume posição,  leia-se, cargo dirigente dentro um Partido Nacional qualquer por mais ou menos irrelevante que seja, deve ter cuidado de língua ?

Deve. Uns têm, outros não. Por isso dou graças a Deus por pouco ou nada perceber de bola, mas sou simpatizante do Benfica... e do Sporting... e do Porto...e do Vitória de Guimarães... e do Mirense.

Assim a boa educação, o prestígio do ser humano e o respeito devido por todos os indivíduos que rodeiam a sociedade e que dela fazem parte, para além claro, da sua boa reputação e outras qualidades semelhantes será e  é sinónimo, creio, de grandeza de carácter e merecedor de fazer o nobre caminho que é a Política que exclusivamente deve estar presente a favor do bem comum servindo e não para se servir.

Quando o futebol se mistura com a política é possível que isso dê chatice ou que dê algum cócó.

Mas também pode não dar. E  é possível que não dê se existir grandeza de carácter, boa forma de comunicação e sem intenção de ferir o outro. Há muitas formas de eu dizer que... mas a bem das boas relações pessoais e outras  é melhor que não diga, mas ao dizê-lo que o diga de forma educada.Não ando agora aí a escrever que o Centeno é um "paineleiro" qualquer que não apresenta as contas em condições, que inventa receitas e/ou despesas... Ora, quando se assume posições e cargos em partidos políticos, pode dizer-se o que se quiser e como quiser?

Não tenho essa opinião.Antes pelo contrário.

Quando se inflama ou se quer inflamar qualquer tipo de discurso futebolístico ou outros com intuito menos próprio e quando se tem ou se  julga ter um qualquer cargo dentro de um partido político de relevância ou não, a linguagem a utilizar deve, para além de cuidada, deve igualmente pautar-se de redobradas atenções.
Não quero dizer com isto que se deva esconder que se é simpatizante deste ou daquele clube, quero simplesmente dizer que deve ter-se o máximo cuidado quando se comunica. Uma vez na internet para sempre na internet! 

Entre dizer algo que pode ferir o outro e não dizer nada, será preferível não dizer nada.

Ao dizer-se alguma coisa, há pessoas que devem ter atenções redobradas de como se diz. Veja-se o Ministro Augusto Santos Silva, quando disse :

“ um dos problemas das empresas nacionais é a fraquíssima qualidade de gestão “ Ele não quis dizer isto, diz ele, e veio a público pedir desculpa.

E um dos problemas que assola a nossa Política é a fraquíssima qualidade de comunicação.

Assim e quando eu algum dia escrever , :

“Aos paineleiros de futebol clube de Casais de Santa Teresinha... “ o quero dizer é : " aos comentadores de futebol do clube de Casais de Santa Teresinha..."

Se não escrever o que quis dizer ( porque talvez me tenha ficado retido no espírito) é favor chamarem-me educadamente à atenção.

Com licença!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub